domingo, 1 de julho de 2018

Entre a ficção e a realidade: uma análise das ações de engajamento de The Crown

Nem só de filmes, séries, reality shows e produções originais vive a Netflix. Desde o seu lançamento no Brasil, em 2011, o serviço de conteúdo on demand vem conquistando seus assinantes também nas redes sociais. O uso de plataformas como o Twitter, o Facebook e o Instagram é comum entre as empresas, porém, o que a Netflix faz é criar uma persona diferente para cada produção original. Isto é, cada programa lançado pelo serviço apresenta, nas redes sociais, características distintas. 


Diante de todas as inovações tecnológicas, a Netflix vem avançando e surpreendendo toda sua teia de clientes, desbravando sistemas operacionais cada vez mais velozes e investindo em interatividade para que o canal de relacionamento, entre a empresa e seus clientes, seja claro e constante. (ANDRADE; PORTO, 2017, p.10)

Esse relacionamento mencionado por Andrade e Porto (2017) pode ser observado em diversas ações de engajamento promovidas pela Netflix. Como já discutido no MediaBox, em 2017 o serviço on demand lançou um jogo criado especialmente para a estreia da segunda temporada da série original Stranger Things . O conteúdo chamou a atenção dos telespectadores interagentes ao antecipar alguns arcos narrativos da trama.

Nas redes sociais, a empresa faz piadas, usa gírias e memes, comenta sobre assuntos do momento e ainda é engajada social e politicamente, o que gera maior identificação e permite um diálogo direto com seus assinantes.

Como, por exemplo, a resposta da Netflix a um comentário transfóbico, que rapidamente se espalhou na web.
 
Resposta da Netflix a comentário transfóbico em sua página no Facebook
 
Outra ação que gerou grande repercussão foi a resposta há uma publicação do deputado estadual Flavio Bolsonaro (PSL/RJ), que afirmava que a plataforma estaria interessada em produzir uma série sobre seu pai, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC).

A resposta há publicação do deputado levou a Netflix aos Trendings Topics do Twitter

Uma outra estratégia usada pela empresa para manter a interação com os telespectadores interagentes é o gerenciamento de perfis direcionados nas redes sociais. Isto é, específicos das produções originais da plataforma. Com postagens regulares e conteúdos televantes, essas páginas mantém a interação do público com suas séries e filmes preferidos durante o hiato entre o lançamento de conteúdos inéditos.

E a série mais cara da história da Netflix não é uma exceção. As ações de engajamento The Crown no Twitter, Youtube e Instagram, ampliam o universo ficcional da série e chamam a atenção até de quem não assiste a trama.

Conhecendo a Rainha


The Crown é uma série biográfica britânica produzida e exibida pela Netflix desde 2016. Em suas duas primeiras temporadas, a produção destina-se a contar detalhadamente a história dos primeiros anos de reinado de Elizabeth II, Rainha do Reino Unido.

Retratando histórias pouco conhecidas pelo público, a série exibe os dramas pessoais e familiares vividos por Elizabeth, que assumiu o trono aos 25 anos após o falecimento do pai, o Rei George VI.

Para garantir o tom documental e assegurar a veracidade da história contada, a trama mistura ficção e realidade a partir da exibição de vídeos dos acontecimentos reais durante o desdobramento de algumas cenas.

A série, que foi indicada a importantes prêmios como Emmy e BAFTA, não agradou apenas a crítica e os telespectadores. A própria Rainha Elizabeth elogiou e disse ter gostado da produção.

Uma nova forma de “ver”


A Netflix possui diversos cases de sucesso nas redes sociais. Isso porque sua equipe compreende o público e está sempre atenta ao que é comentado nas redes sociais, estabelecendo um diálogo constante e personalizado com os assinantes. Os conteúdos publicados nas rede sociais não só divulgam as tramas e aproximam o público do serviço, mas reforçam e ampliam o universo ficcional das séries.

Segundo Scolari (2011), a extensão das tramas é uma característica das narrativas ficcionais seriadas contemporâneas. Dessa forma, o consumo de uma série, por exemplo, vai além de assistir um episódio e envolve outros desdobramentos. Como pontua o autor,

As pessoas dizem, por exemplo, “eu vejo Lost” ou ‘eu vejo Big Brother’, mas esse ‘ver’ é, em muitos casos, radicalmente diferente do velho ‘ver’ televisivo. Hoje, ‘ver Lost’ ou ‘ver Big Brother’ inclui práticas como navegar na web, fazer download de capítulos de forma ilegal, consumir vídeos no YouTube ou discutir sobre o programa em uma rede social ou fórum. (SCOLARI, 2011, p.128)

Dessa forma, os episódios são apenas o ponto de partida para novos desdobramentos da história que podem ser explorados em distintas plataformas. Como, por exemplo, nas redes sociais. Essa questão pode ser observada nas ações de engajamento de The Crown, as postagens imbricam ficção e realidade tornando o universo ficcional ainda mais rico.

A “Coroa” no Twitter


A conta oficial da The Crown no Twitter possui 93,1 mil seguidores. Como a rede social permite postagens com apenas 280 caracteres, percebemos a utilização de vídeos e imagens que complementam as informações do texto. 



A rede social também publica memes trazendo humor para a trama. Os mais de 1.400 tweets postados no perfil abrangem novidades da próxima temporada, vídeos do elenco em momentos descontraídos, acontecimentos memoráveis de integrantes da Família Real, curiosidades históricas exibidas na série, entre outros.



Os tweets também imbricam questões do cotidiano com o universo ficcional de The Crown. Na captura acima, a publicação intitulada “Humor” (Mood em inglês) apresenta um gif com diversas reações da princesa Margaret (Vanessa Kirby).

Youtube: entre a ficção e a realidade


Por se tratar de uma história biográfica que narra acontecimentos pouco conhecidos, a série gera no telespectador uma certa curiosidade e o desejo de descobrir os limites entre o que é exibido em The Crown e o que realmente ocorreu na “vida real”. Antecipando essa vontade de buscar por mais informações, a Netflix usa o seu canal no Youtube para contar algumas histórias narradas durante a série e comprovar a veracidade dos acontecimentos. 


Vídeo mostra imagens verdadeiras e fictícias da visita de Jackie e John F. Kennedy ao Reino Unido em 1961.


O universo ficcional de The Crown no Instagram

O conteúdo publicado na conta de The Crown no Instagram segue o mesmo padrão de das postagens feitas no Twitter e no Youtube. Imagens e vídeos do elenco em premiações e momentos descontraídos se misturam a fotos comparativas entre a série e a realidade.

Publicação da série ‘Representação vs Realidade” no perfil do programa.

Publicação da série ‘Representação vs Realidade” no perfil do programa.



As ações de engajamento de The Crown nas redes sociais ressalta a expansão da narrativa por diversas plataformas. Segundo Jenkins (2008), ao trazer novas e exclusivas informações aos telespectadores, essas histórias rompem com o padrão linear tradicional (início, meio e fim).

Estamos descobrindo novas estruturas narrativas, que criam complexidades ao expandirem a extensão de possibilidades narrativas, em vez de seguirem com um único caminho, com começo, meio e fim. (JENKINS, 2008, p.165)

Nesse sentido, mesmo que a história esteja em hiato na Netflix os telespectadores interagentes podem acompanhar conteúdos inéditos das redes sociais, tornado o universo ficcional de The Crown mais denso e interativo.

Referências:

ANDRADE, Thiago da Silva; PORTO, Ed. Netflix e a Nova Televisão: tecnologia, inovação e a nova prática de consumo. Anais 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2017. Disponível em: <http://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-0015-1.pdf>. Acesso em: 1 jul. 2018.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

SCOLARI, C. A construção de mundos possíveis se tornou um processo coletivo. In MATRIZes, v. 4, n. 2, p. 127-136, 2011. < https://www.revistas.usp.br/matrizes/article/download/38296/41123>. Acesso em: 1 jul. 2018.

Nenhum comentário:
Escrever comentários